segunda-feira, 3 de maio de 2010

Migalhas

Hoje tinha um texto bonito, umas palavras sãs para escrever, uma história para contar, um artigo para comentar, um texto para meditar, mas mal abri a porta, entrou uma rabanada de vento que para além de me levar os piolhos também me levou todas as palavras, as letras, as vírgulas, e toda a pontuação que vai de 0 a 10 e no fim... ficou o rasto do cometa.

A peregrinação domingueira acabou. No sofá, ficaram as marcas dos nossos corpos espalmados, comprimidos ao pecado da vida.
No chão, as migalhas esmagadas pelos nossos jogos eróticos, são apenas quimeras de manhãs perdidas e de tardes achadas.
No fim do dia, nada mais resta, apenas a recordação da memória esquecida suspensa num trapézio movido por um leve movimento de amizade, companheira dos dias no banco da idade e prisioneira à incontinência das lágrimas por derramar.
No chão do sofá ao final do dia, apenas um quase!
Talvez um olhar mais próximo do céu, ou do mar, consiga salvá-la.
Talvez um pequeno reflexo no espelho a possa trazer de volta.
Talvez…
se fechar os olhos e abrir o coração,
por um momento ela esteja lá e lá permaneça…
Eternamente.

Podes levar-me contigo?
Podes ficar comigo?

 
Imagem: Internet

2 comentários:

Tulipa disse...

Muito bonito, Catarina. Uma boa semana. kiss

Catarina Reis disse...

Obrigada Tulipa.
Bjs

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...