quinta-feira, 17 de novembro de 2016

American Dream


“Todos os homens são criados iguais" com direito a "vida, liberdade, propriedade e a busca pela felicidade”. O American Dream vive assim enraizado na Declaração da Independência dos Estados Unidos da América, o mesmo sonho que muitos dizem agora desfeito, após a eleição de Donald Trump, como presidente de uma das nações mais poderosas do mundo. Mas a maior surpresa, ao contrário do que se poderia pensar, não foi do bilionário ter sido eleito presidente dos EUA, contra a mais que provável vitória de Hillary Clinton, mas sim esse resultado ter vencido comentadores, celebridades, opinion makers, media internacional e nacional e todo o tipo de sondagens. Eu também achava que ele ia perder, sem saber muito bem, pelo menos aprofundadamente se isso era positivo ou não, e sinceramente continuo sem saber.

A América de hoje pode não ser, seguramente, a de ontem, mas a verdade é que, a de ontem mostrou que existe democracia e que funciona e é essa realidade que convém guardar para (o)amanhã. 
Imagem: Internet

Sonhos...

Onde os caminhos de cabras acabam e as auto-estradas começam, onde o ar me arranca os botões da camisa e o silêncio, a paz, me lava as obscenidades da alma, existe um mundo diferente daquele em que estamos acostumados a viver - estupidamente mágico e belo - Sonho todos os dias acordado com esse lugar, com medo dos meus sonhos se desvanecerem enquanto durmo. Não é um sonho azul, nem verde, nem cor de rosa, não é um sonho com as claridades do verão planando lagos sobre o barulho das gaivotas, ou a calmaria de uma cama levitando no espaço, com os lençóis manchados de café. São apenas momentos escorrendo em forma de estalagmites numa mina de ouro, diamantes feitos de uma luz muito cintilante. São a alegria e a amizade, o caminho dos miminhos no som das palavras que me embalam no berço da vida até adormecer. Agora o sonho desvaneceu-se. Foi-se por entre a nesga de uma nuvem que, no desabrochar de um relâmpago, parece marcar o momento da ruptura, e pelo passeio da solidão onde os buracos parecem cada vez maiores. Estou furioso, por isso desafogo o cabelo loiro entrelaçado e começo a ler ininterruptamente um pergaminho escrito em papel higiénico, só para me torturar. O grito eleva-se dentro de mim e a dor não tem sentido, mas as lâminas invisíveis acertam sempre no lugar onde escondi o coração e as lágrimas não param de me molhar a barba.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Sentir

É tão bom vir à Internet. 
Aqui tudo é perfeito, as pessoas são lindas, extraordinárias, calorosas e os melhores em tudo.
Aqui não faltam amigos, palavras amigas, fotos perfeitas e relações sem grumos. 
Mão há maior solidão do que viver na ideia, de combater a solidão, com a companhia virtual, porque o mundo lá fora, até pode por vezes ser demasiado duro e difícil de enfrentar, mas é um mundo real, para os bons e maus momentos, onde um abraço é um abraço e não há nada que supere esse sentimento de sentir.


Pipinho e os seus famosos abraços