quarta-feira, 31 de março de 2010

Na Lei da Selva

Por Unha Negra, e já com a Sola Gasta de tanto falar Sobre o Tempo e Outros Assuntos, encontrei a Gata em Telhado de Zinco Quente à conversa com a Lady on My Dog. Mal pressentiram minha presença lançaram seus Olhares rebeldes e provocantes! Mas depois pensei, acorda… Catirolas! Afinal o mundo não Gira à Minha Volta, não vale a pena ser Totó da Cabeça, o melhor é ir matar a fome de palavras com uma valente Sopa das Letras….

A Visitar:
http://por-uma-unha-negra.blogspot.com/
http://solagasta.com/
http://sobreotempoeoutrosassuntos.blogspot.com/
http://gatasemtelhado.blogspot.com/
http://ladyohmydog.blogspot.com/
http://blog.olhares.com/
http://giraminhavolta.blogspot.com/
http://totodacabeca.blogspot.com/
http://memoriasdaminhacaneta.blogspot.com/

Muitas vezes testamos a natureza até ao limite, construímos onde não é suposto construir, criamos onde não podemos, invadimos espaços que não nasceram para ser invadidos, cometemos erros e atrocidades que mais tarde assumem consequências devastadoras… e por mais injusto que as catástrofes naturais possam parecer, elas têm uma função reguladora e de limpeza. São precisas para manter o equilíbrio na terra.

Num parque nacional, na África do Sul, um caçador foi atacado e devorado por leões. A pergunta é óbvia mas necessária. O que fazia o raio de um caçador numa reserva?
Três caçadores entraram clandestinamente no Parque Nacional Kruger e colocaram ilegalmente armadilhas. Ao deslocarem-se para ver se algum animal tinha caído, foram atacados. Primeiro, pelos hipopótamos e depois, ao tentarem fugir cada um para seu lado, um acabou por ser comido pelos leões enquanto os outros dois foram detidos pelas autoridades locais.
Aqui está um bom exemplo de como a natureza muitas vezes é justa e eficaz a corrigir os erros cometidos contra ela, pena que exemplos como este passem despercebidos e que a caça desmedida de animais continue, não para matar a fome, mas para matar o vício de consumismo, de luxo e de exibicionismo.

"Somente quando tiverem matado o último animal, pescado o último peixe, cortado a última árvore, o homem verá que dinheiro não se come".
Otávio Leal (Dhyan Prem)

Fonte da notícia: Agência Lusa
Imagem: Internet

4 comentários:

Tulipa disse...

Olá Catarina! Obrigada pela referência ao meu blog!É verdade, a natureza é implacável e nós bem que tentamos controlar um pouco, domesticar...mas existem momentos que percebemos o quanto somos pequeninos. kisses

Catarina Reis disse...

E somos mesmo pequeninos. Obrigada eu.
Bjs

Luis Baptista disse...

A Unha agradece a honra que Lhe concedeste (:
Uma festinha d'Ela.

Catarina Reis disse...

Olá Luís, Obrigada.
Confesso que a unha me faz um pouco de impressão, mas o humor inteligente está genial.
Bjs