quinta-feira, 30 de maio de 2013

o mito da fatura

O governo prepara-se para incluir no orçamento rectificativo, uma alteração de 5% para 15%,  à dedução no Irs no Iva gasto em aquisições e prestações de serviço em algumas actividades.
Este beneficio fiscal, não deveria ser apenas, para algumas actividades e sim para todas, como as compras nos hipermercados. 
Embora seja um principio,a economia paralela, não se combate apenas com "micro intenções" ou com autoritarismos. Combate-se com atitudes que provem, que aquele é o caminho correcto, gerando um clima de confiança nos contribuintes. Porque é difícil mudar mentalidades, e enquanto continuar a existir, por parte das empresas e da população em geral, o "mito da factura", ainda mais numa época de dificuldades económicas em que o que todos querem, é no imediato, pagar menos, ainda que a longo prazo, esta invasão fiscal signifique mais despesa para todos os contribuintes, logo pagar mais, não há medidas que resolvam o problema.





Passeio de Pasteleiras

Alcobaça é uma terra com uma forte ligação histórica e cultural, mas também uma terra de encanto e de  muito romantismo, por onde vale a pena passear.
No fim-de-semana passado, esta terra singela e formosa, foi também "palco" para um passeio de bicicletas antigas, com ciclistas a rigor trajando roupas do fundo das arcas das avós. 
Numa iniciativa levada a cabo pela Associação dos Bombeiros Voluntários de Alcobaça, inserido nas comemorações dos 125 anos de existência. Foi uma manhã de Domingo de exercício, convívio e de muita beleza à mistura, numa actividade que tem cada vez mais adeptos e onde é possível ver pessoas de todas as idades e gerações.

Foto CM brindes




terça-feira, 28 de maio de 2013

E subitamente o discurso mudou...

E subitamente o discurso mudou...
Não sei se é já o síndroma da fobia autárquica, a tomar conta da agenda politica; se foi um raio que atingiu inexplicavelmente a linha de pensamento dos governantes, ou se finalmente, existem realmente medidas concretas, não apenas discursos e utopias para mudar o rumo da economia portuguesa. Porque, depois das medidas de austeridade, depois do "enorme aumento de impostos", e de toda uma série de "artimanhas" e "jigajogas" de imposições, que na realidade e na prática, em nada beneficiaram o pais e que também não cortaram assim tanto, nas tais "gorduras do estado", apenas nas magrezas dos contribuintes e nas famílias que já não têm muito mais para dar, para além da fome. Onde não existe realmente uma "economia crescente e em movimento", onde não existe trabalho e quando acontece, aparece como uma luta desigual, onde se procura contratar, com o menor custo possível, mão-de-obra qualificada, a preço de saldos. 
Não sei, mas depois de tudo isto e muito mais... vir dizer que o que importa são finalmente as pessoas e o capital humano... parece bom demais para ser verdade.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Tudo deve mudar para que tudo fique como está.

António Passos Coelho, pai de Pedro Passos Coelho, ontem em declarações ao jornal "i", veio dizer que o filho está farto das suas funções, "morto para se ver livre disto" e desejoso de regressar à sua vida normal. 
O médico reformado, vai ainda mais longe nas suas declarações, afirmando que a "família vai fazer uma festa", quando o filho largar o poder.

É curioso como todos se queixam da politica, que dá demasiada exposição mediática, que é uma enorme dor de cabeça, que não existe nenhuma vantagem, mas mais cedo ou mais tarde, todos lutam para ocupar a cadeira do poder. 
Como cidadã portuguesa votante e sem entrar em qualquer simpatias partidárias, não me parece nada correcto ouvir o pai do primeiro-ministro, dizer estas coisas em público, mesmo que sejam reais.
A verdade é que, e apesar de sabermos que na maioria dos casos, uma mudança de cadeira,  independentemente da cor politica, significa apenas mais do mesmo. Quando o sr. primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho,  sair do governo, por vontade própria ou não, quem vai fazer a festa são os portugueses. 


Tudo deve mudar para que tudo fique como está.
Giuseppe Tomasi di Lampedusa

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Nazaré terra de contrastes.

Portugal, é um país com paisagens dignas de qualquer postal ilustrado.
À medida que se aproxima o Verão, pelo menos no calendário, é natural que nas zonas de veraneio se comece a preparar "as barracas" e a repor os stocks, para a afluência de gente, que durante os meses de Junho a Setembro triplicam a população e dinamizam a economia local.
Nazaré é uma terra bonita de paisagens idílicas, com um mar insolente, num misto de calmo e bravo, que em dias de céu limpo, apresenta uma tonalidade estonteante! Uma terra com recantos únicos e de tradição histórico-cultural invejável, com tasquinhas e restaurantes, onde se come bem a um preço razoável. Lugar de  gente afável e divertida, que se esforça para receber com orgulho, quem a visita, quebrando todas barreiras linguísticas com a linguagem gestual, como é o caso das peixeiras, que têm o costume de "enfiar ", as tabuletas  de "aluga-se..." por quem lá passa de uma forma peculiar, como não se vê, em nenhum outro lugar.
Infelizmente a Nazaré não é apenas uma terra bonita.... 
É uma terra de becos e de ruas estreitas que, sem se perceber bem porquê, cheiram demasiado a águas domésticas e a peixe podre. Com uma inexplicável falta de "brio" para receber o turismo com requinte e dignidade, com uma visível escassez de infraestruturas, ao longo do imenso areal que compõe a sua praia, apesar de algumas melhorias notórias e com excepção do local onde é erguida, com mérito, a bandeira azul.
É a terra da Lenda de Dom. Fuas Roupinho, agora em concorrência directa com a  "Lenda da Onda Gigante", que levam muitos curiosos ao farol (que normalmente não está visitável, mas que poderia e deveria estar), por uma estrada apertada e sem estacionamento adequado, bermas, ou passagem para peões, onde é possível apreciar a vista fantástica sobre a Nazaré e o seu "Canhão", agora, simultaneamente com outra vista demasiado deprimente e desleal: a multidão em peregrinação ao local e o lixo e a poluição que advém dela.

Cuidar do património de todos, deveria ser, para cada um de nós, a única forma de ser e de estar na vida. 








terça-feira, 21 de maio de 2013

Papás Online

É curioso que não tendo a escrita como um modo de vida, ela é certamente para mim, um estilo de vida.

Já repararam que actualmente ser professor é uma profissão de alto risco, não pelo comportamento dos alunos, mas essencialmente pelo comportamento, "demasiado zeloso" de alguns pais, que chega, em alguns casos a roçar o ridículo. Porque estar diariamente "online" com a escola e com os filhos, não significa estar efectivamente presente na vida... e isso é que é realmente importante.




segunda-feira, 20 de maio de 2013

Melancolia de segunda-feira

Sabem o que por vezes me faz ficar melancólica numa segunda-feira de manhã?
É saber que mesmo em dia de feira, com todas as pessoas que visitam a cidade, para comprar o que precisam, a "Santa Terrinha", nunca terá a adrenalina, o barulho, o cheiro, a luz e a agitação de uma qualquer manhã de Lisboa...e disso por vezes tenho muitas saudades.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

O Macho Alfa

Assim anda o panorama politico português.

Apesar de grande maioria dos portugueses, aqueles que sabem tudo, sobre os "Arrufos futebolísticos,  as "Casas dos Degredos" e os "Big Brothers Falidos", mas que nada sabem, sobre a Constituição da República Portuguesa, para que serve, qual o objectivo, porque votam e quem votam. Ainda assim, qualquer um deles é capaz de fazer uma analogia que os leve a concluir que:
Temos um Presidente da República pouco lógico e coerente, que reage quando não deve e quando o faz mais valia não o ter feito.
Um Ministro das Finanças, monocórdico, não só no discurso, mas essencialmente nas acções. Um Ministro da Economia, que todos sabem que existe, mas que é um pouco como o "D. Sebastião", desaparece por entre o nevoeiro... e todos ficam à espera que apareça um dia, de preferência com medidas para impulsionar a economia. E um Ministro dos Negócios Estrangeiros, que prefere ser politicamente correcto, do que fazer politica de uma forma correcta, para, por um lado tentar não perder votos dos portugueses, e por outro, não estragar o relacionamento que tem com o Primeiro Ministro... porque como se sabe, em qualquer relação existe sempre um Macho Alfa*.


Glossário: Macho Alfa
Fonte: Wikipédia
...... É o primeiro a se alimentar e possui primazia na cópula e escolha das fêmeas. O macho alfa frequentemente demonstra seu domínio rosnando, mordendo, perseguindo, dilacerando, ou descansando sobre outros animais, até que sua superioridade seja posta a prova por algum outro integrante do grupo que, se vencê-lo no embate, passa a assumir sua posição.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A inocência da fama

Se existem momentos em que a força das imagens superam qualquer palavra, esta é uma delas.
Dois gémeos recém-nascidos com os braços entrelaçados, a dar as mãos, logo depois de terem saído do ventre da mãe...mostram bem o quanto a natureza é extraordinária.
Este será certamente um momento especial que os irmãos, Daniel e Maria, nascidos na Policlínica Gipuzkoa,  no País Basco, mais tarde, terão oportunidade de recordar: -  "Os seus minutos de fama".
Esperemos que o façam para o resto da vida, com a mesma inocência daquele instante,e que a idade não faça deles, pessoas com outros valores, como: a soberba, a cobiça e a ambição desmedida. Princípios capazes de atropelar tudo e todos, independentemente dos laços e das emoções efectivas, tão inconscientemente retratadas naquele click e tão conscientemente "aproveitadas", por alguém, que fez daquele instante um caso "viral" por todo o mundo fora.










Imagem: Gémeos juntam as mãos (La Vanguardia)



quarta-feira, 15 de maio de 2013

A Catirolas, no Diário de Notícias em 1999

É curioso como ao longo dos anos, a escrita tem acompanhado o meu caminho.
Hoje, a limpar o baú lá de casa, encontrei uma relíquia que resolvi recuperar e partilhar com  todos vocês,  queridos leitores, amigos, conhecidos, primos afastados, animais de estimação e seres de outra espécie, mais ou menos recentes.
É um artigo da "Catirolas", como "Catarina Ferreira", publicado no Jornal "Diário de Notícias" em de 20 de Julho de 1999.

Desorientações... Espero que consigam ler, sem ficar desorientados.


terça-feira, 14 de maio de 2013

Ilusão de Óptica

Já se sabe que em épocas de dificuldades económicas, todo o panorama publicitário muda, tentando aproximar as "mensagens", ao que as pessoas querem ouvir.
Não existe empresa que se preze, que já não tenha utilizado mais do que uma vez, a palavra promoção, ou desconto.
Nestas alturas todos têm cupões, talões, cartões e uma panóplia de papéis coloridos, para oferecer alguma coisa, haja talento e imaginação.
Somos uma sociedade de consumo massivamente informada, conhecemos todas as "manhas de venda", perfeitamente conscientes do que gostamos e do que queremos,  mas a verdade é que na altura de fazer as compras, mesmo seguindo à risca, a tal lista e todos os conselhos dos especialistas, a tentação é enorme e pelo menos uma vez por outra, mesmo sem termos muito, ou quase nenhum, dinheiro, acabamos por fazer aquela compra, que não era preciso, que até nem queríamos fazer, mas que por chamar tanto a nossa atenção acabamos por fazê-lo... e no fim vamos para casa "asnamente" contentes, porque fizemos uma compra fantástica, com a sensação de absoluta certeza, de que, "enganámos o vendedor", quando na realidade, tudo o que fizemos foi encher mais uma prateleira de "ilusões" e rechear a conta bancária de vazios.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

A forasteira

Num fim-de-semana dedicado a eventos locais, quermesses, gincanas piqueniques e passeios, é engraçado observar como nestes dias, as pessoas, na festinha da aldeia, onde a comunidade está largamente envolvida para o Santo Padroeiro da terra, ainda se vestem, (na visão de uma citadina), como se fossem um casamento: Com o melhor vestido, a melhor fatiota, o penteado mais aprumado,  mas com uma cor, uma postura corporal e uma imagem, que faz transparecer que a maioria daquela gente, é do campo, ou que tem fortes ligações à terra.
É intrigante ver a forma genuína,  pura e calorosa como nos recebem, "os forasteiros", apesar de muitos manifestarem olhares curiosos, fazendo transparecer que apesar de ali estarmos, "não pertencemos ali". E que até nos vestimos de, "fato de treino",  perfeitamente desadequados ao dia e ao momento.
A Festa de Santo Estevão - Ribeira de Baixo em Porto de Mós, é mesmo uma festinha de aldeia... muito parecida com o lugar onde vivo.
Por vezes esqueço-me que já não estou na cidade, que vivo no campo e que a cidade é apenas uma projecção da minha cabeça, uma vivência, uma experiência de vida acumulada, que faz de mim aquilo que  sou, numa ou noutra terra, onde e ainda que de uma forma positiva, mais ou menos integrada, serei sempre uma forasteira.


sexta-feira, 10 de maio de 2013

Ali... onde se reproduzem as formigas!

O que mais me entusiasma como pessoa, é ver gente de roupa metodicamente aprumada, cabelo sobejamente arranjado e unhas magnificamente pintadas, com uma educação versada e uma carreira profissional elasticamente conotada, despejarem o lixo que fazem na sua secretária: restos de migalhas, caroços de maçãs, embalagens de iogurte, garrafas de água e alguns papéis provenientes do trabalho que executam, para além do de comer; "para debaixo do tapete", estando o contentor a 2 degraus de distância.
O "debaixo do tapete", é apenas uma figura de estilo, mas tudo o resto não o é.

Imagem: Internet

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Portuguese Beauty

A revista Travelers Digest divulgou este mês uma lista das cidades com os homens mais bonitos do mundo.  Lisboa ficou com o 5º lugar onde Estocolmo aparece em primeiro.
As qualidades dos Latinos Lisboetas apontadas para estarem no "Top Five" são: Homens cosmopolitas e bem-educados, cavalheiros altos, carismáticos e atléticos com conhecimentos não só sobre a própria cultura, como da de outras nações.  

Apesar de achar que este é um prémio bem merecido podendo até ter ido muito mais além, uma vez que  os homens portugueses, têm muitas outras qualidades aqui não avaliadas. Acho que esta "Revista", não espelha exactamente a realidade da capital e muito menos do país.
A população masculina que maioritariamente reside em Lisboa, é composta por velhos e reformados que passam os dias nos bancos do jardim, a jogar à Sueca. A excepção são todos aqueles que usam a capital para trabalhar. Depois, os homens portugueses não são altos, são sim, essencialmente de estatura média/baixa. Quanto ao facto de serem bem-educados, é um pouco relativo, não querendo entrar em detalhes, digamos que existem dias com sorte! São realmente carismáticos e procuram cada vez mais cuidar do corpo e da imagem, mas não são dos mais atléticos. Relativamente ao conhecimento da própria cultura, ou da de outras nações, e embora hajam melhorias significativas, não creio que sejam assim tanto, a não ser claro, que o tema seja o futebol.
Sendo a "beleza" física ou psíquica, sempre um tema muito subjectivo, a verdade é que na essência, existem realmente homens muito bonitos e interessantes por Portugal fora, a diferença, está apenas naquilo que cada um consegue ver em cada um deles, porque ninguém é igual a ninguém!




quarta-feira, 8 de maio de 2013

Os Robots que identificam Chulé e mau hálito

Já todos sabemos que os Japoneses e os Chineses, são inventores de tudo e mais alguma coisa. A mais recente invenção foi levada a cabo por uma empresa japonesa, cujo próprio nome diz tudo: CrazyLabo, que em parceria com o Instituto de Tecnolodia da Universidade Kitakyushu, criou, dois robôs, capazes de identificar o mau cheiro dos pés e o mau hálito.
Os dois robots, um em forma de cabeça de mulher e outro em forma de cabeça de cão, quando activados, reconhecem, catalogam o mau cheiro, numa escala de 4 níveis e ainda reagem de forma a que o utilizador tome medidas para evitar a situação (só não explicam que tipo de reacção). 
Vê-se logo que estes Japoneses nunca andaram de transportes públicos apinhados de gente, com cheiro a chulé, a suor e a mau hálito. Infelizmente, facilmente identificáveis sem ser necessário o recurso a robots!
Eles poderiam era ter inventado algo que anulasse definitivamente esses maus cheiros... um chip implantado na cabeça de algumas pessoas de modo a que tivessem bons hábitos de higiene oral e corporal, incluindo mudança diária, de roupa de interior.


terça-feira, 7 de maio de 2013

Vida ficticia

É usual muitos, na sua maneira de ser acharem que merecem:
A amizade de alguém, sem nada terem feito digno desse significado;
O trabalho que têm, sem terem feito o mínimo esforço, e isso incluí, teses feitas por outros,  e processos de recrutamento e selecção, virtuais.
Amor e carinho da família, sem nunca saberem o que significa essa palavra, para além do ramo estendido na ponta da árvore genealógica.

São muitos os que vivem assim, sem respeito pelos outros, achando que tudo podem, que tudo fazem, num egoísmo desmedido que ultrapassa qualquer fronteira entre a ficção e a realidade. De tal forma que os interesses e as prioridades começam no principio, onde o fim, poderia ser um programa de televisão, desses   que ninguém admite que vê, mas que todos sabem quem são as personagens e o que se passa, 24 horas por dia.


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Recados

Pode ser apenas do meu mau feitio...

Estranho este mundo que me faz cruzar com seres curiosos. Seres que são viciados no desporto, que não se importam de correr quilómetros, porque faz bem,  mas que enfiam tudo e mais alguma coisa: plástico, vidro , cartão, no caixote de lixo de resíduos domésticos, só porque provavelmente o Ecoponto não fica a uma distância conveniente, mas que se quisessem até poderiam ir a pé.
Personagens que insistem em estacionar em frente das garagens alheias, estando o parque de estacionamento a meio metro, disponível.
Excelentes donos de criaturas caninas fofinhas, acorrentadas num espaço fechado e obscenamente pequeno,  com um quintal tão grande, onde poderiam correr e brincar livremente. Animais educados que cumprimentam qualquer pessoa que passe, com breves latidos, implorando por festas e mostrando boa vizinhança, apesar da clausura em que vivem e do exemplo dos donos, que teimam em guardar um simples, bom dia  para as suas entranhas pessoais...e por fim, "seres deste planeta", "pais" de animais de grande porte, que permanecem todo o dia fechados em casa, e que pensam que soltá-los um bocado à noite, para exercitarem as patas e o cu, uma vez que na primeira oportunidade marcam o território, em território hostil, é muito saudável e agradavelmente bonito. 
Pode até ser apenas do meu mau feitio...mas no bairro onde resido, existem mesmo pessoas muito estranhas... Não acham?


quinta-feira, 2 de maio de 2013

De Caxias com amor à camisola

Já repararam como os tempos mudam.
Antigamente, ouviam-se noticias sobre perigosos criminosos, que continuavam as suas acções de comando, dentro da prisão, mantendo os níveis do crime da mesma forma como se estivessem em liberdade, comandando todas as operações dentro da prisão.
Agora, alguns dos "possíveis criminosos", não são Gangsters, nem Mafiosos. São  Políticos, que podem, segundo a lei continuar a gerir e a desempenhar as suas funções dentro da prisão, como se estivessem em Liberdade.