segunda-feira, 27 de junho de 2016

Probabilidades

Qual a probabilidade de alguém que se mete à estrada, em cima de uma bicicleta, à procura de transpirar um pouco, ainda só com os pensamentos por companhia, levando com terra, areia e algum pó, não necessariamente do asfalto, e encontrar dois coelhinhos aos pulos, à mesma hora e no mesmo local? A mesma probabilidade de encontrar um casal também aos pulos, à mesma hora e sensivelmente no mesmo local a testar os bancos do carro??? Acho que era isso que estavam a fazer, não fiquei para ver, ia a pedar depressa demais!

sábado, 25 de junho de 2016

Companhia

Nesse local onde habitam os peixes, no instante onde, de dia os barcos não se atropelam em hora de ponta, à espera de uma ponta que não seja esse fio preso ao anzol, e onde ao cair da noite as mulheres de saias rodadas, em ancas de linhas imperfeitas, perfeitas demais para serem capa de revista, estendem as mãos à espera de qualquer coisa impossível de confessar! Aqui neste lugar em que as pessoas se cruzam, em palavras mal calculadas e sentimentos desmedidos, onde não há perguntas, dúvidas ou registos, onde as auto estradas virtuais servem tudo e todos servem como servos, menos, muito menos que essa realidade onde se toca, se abraça, se sente, se aproveita todos os momentos para agarrar, literalmente, corpos transpirado de emoções, sem maquilhagens... porque a meio da tarde um copo de ginjas com elas numa das castiças taberna do Rossio, agora apinhadas de turistas... Demasiados??? Talvez. Sabe sempre melhor quando se tem companhia, algo, que por mais que insista, se deseje, se fantasie... os bites e os bytes não proporcionam.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Criançada

Dizem por aí que hoje é dia da criançada...Tantas vezes... muitas, demasiadas talvez... algumas das crianças de ontem, homens de hoje, transformaram a vida das crianças, o seu paraíso inocente, num mundo de pequenos adultos, onde a inocência e as brincadeiras, são cada vez mais um passatempo e não uma forma de vida, própria da idade. O que não nos podemos esquecer, mas que fazemos constantemente, é que tem que haver tempo, para não haver tempo de pensar no tempo, para que as nossas crianças não cresçam assim tão depressa e possam ser apenas.... crianças....