segunda-feira, 16 de julho de 2018

Delírios futebolísticos


Quantas vezes, quando se assiste a um jogo de futebol pela televisão, se vê a câmara subitamente desviar o “olhar” da bola em campo, para outros atributos na bancada. E lá aparece uma rapariga bonita /voluptuosa no ecrã. E isso aconteceu recentemente com o Mundial na Rússia que terminou no domingo. Daí a FIFA ter pedido, para haver mais cuidado na captação de imagens de mulheres bonitas. No meu entender podia ter ido mais longe, poderia ter criado uma lei onde houvesse 50% de mulheres e homens, na profissão de operadores de câmara, seguramente teríamos outro tipo de imagens. Planos mais aproximados de rabos tonificados, pernas musculadas e até de alguns abominais bem torneados. O problema seria encontrá-los no meio de tanta barriguinha elegantemente trabalhada pela ingestão de cerveja.   


Foto: Internet

sexta-feira, 13 de julho de 2018

O dilema do Leitão


Aquele momento em que te percebes que estás na “santa terrinha”. Compras uma rifa para ajudar alguém e reparas que o primeiro prémio é um leitão vivo.

Ontem alguém me pediu para comprar uma rifa, “para ajudar nas festas do santo da terra, em plena época alta da Santa Terrinha”. E eu, como habitualmente, lá comprei. Dois euros pelo número 10 e 11. Normalmente não costumo ligar muito ao prémio, até porque nunca me sai nada. Mas desta vez… Não é que o primeiro prémio é um leitão vivo!
E se me sair? Que raio vou eu fazer a um leitão vivo?
Transformá-lo em febras? Bem, isso parece estar muito além das capacidades assassinas da Catirolas. Juntá-lo aos meus gatos do quintal? Correria o risco de se tornar numa autêntica “gatilopocilga” e lá se iam as flores do jardim, os meus canteiros de ervas aromáticas e de chá, os meus morangos, os kiwis e até o duche solar não sei se sobreviveria a tanta animação. 
Dá-lo a alguém? Fica sempre a responsabilidade, sabe-se lá para que fim. Ainda se não tivesse visto a pobre criatura com aqueles olhinhos de porquinho mal amado… Bem talvez seja melhor não pensar muito e confiar nas estatísticas e nas probabilidades. “Por favor que não me saia o Leitão”!

Imagem: Internet


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Nessa mesa posta para dois

A mesa estava posta, ainda sem comida. Uma toalha de linho com apontamentos de tecido e algumas manchas no meio, com nódoas difíceis de sair e fios de renda na ponta caracterizavam-na. Em cima, dois pratos de louça de porcelana retocados a ouro e os talheres: garfo do lado esquerdo, faca do lado direito, parte do serviço de 46 peças de prata antiga completavam o quadro. 
Alguém se senta num dos dois lugares vazios, mas mais vazio fica ainda o lugar. Nessa mesa, agora farta de comida, serve-se muita  solidão. Um lugar desocupado de afectos, desabitado de conversas, nu de sentimentos. Afinal, nessa mesa posta para dois, em cima de uma toalha de linho com apontamentos de tecido e algumas manchas no meio...há apenas lugar para um.




Emoções do quotidiano


Não estava a chover, mas o sol também teimava em não aparecer. Maria, (nome fictício) 36 anos, estava sentada, mal sentada com a postura incorrecta, segundo as normas de ergonomia do trabalho. No meio de respostas e perguntas. “Será que correu tudo bem?” Entre os emails, os escritos e as promessas, a vontade é sempre a mesma: Não é não errar, porque errar faz parte da construção, da vida. É não querer falhar. Falhar com as pessoas, a quem se dedica a maior parte do tempo. São esses sentimentos que a deixam com o nervosismo à flor da pele, o coração a acelerar e uma angústia como nome e prognóstico. Quem sofre por antecipação sofre a dobrar e este sofrimento em casos extremos pode levar ao colapso. Essa ansiedade largamente diagnosticada e acompanhada é curável, na cura... venham os ansiolíticos de paciência, de compreensão, amizade e com a germinação de uma relação honesta, com os outros e principalmente consigo mesma. 
Às vezes revejo-me na Maria, muitas vezes, talvez demasiadas até. Nesse encontro e vontade de fazer bem, o bem em todos os campos, mares e serras da minha vida. Nem sempre sou capaz… não sou de longe nem melhor nem pior, mas pelo menos sei que tentei. 
Se consegui? Se consigo? 
Não sei. Só sei que volto sempre. "Volte Sempre", há quem diga! Mesmo que muitas vezes não me apeteça.…eu volto, claro que sim. Como não poderia?! Afinal é nesse amar que me sinto viva.

Foto: Catirolas com a Pipinha

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Coisas de lá, que poderiam vir até cá.

Nos Estados Unidos da América, terra número dois dos fenómenos, a seguir ao Entroncamento (conhecido, pela ocorrência de acontecimentos inexplicáveis em meados do século passado, tornados famosos nas crónicas de Eduardo O.P. Brito, um jornalista que esteve no ativo, mais de 75 anos). Na terra número dois dos fenómeno, parece que há agora um desafio a inundar as redes sociais com visualizações, dignas elas de fenómenos. Há esquadras de polícias a filmarem videoclips, onde cantam e dançam na própria esquadra e até utilizam certos equipamentos para complementar a coreografia. O videoclip depois de publicado, pelos próprios, nas páginas oficiais servem para nomear outras esquadras para o fazerem também. O último, com da policia Norfolk, na Virgínia, teve 27 milhões de visualizações. ​Sem saber muito bem analisar a utilidade desta iniciativa, (deixo isso para especialistas). Gostaria que os nossos polícias de cá fizessem o mesmo, principalmente quando estão a fazer operações stop. É que depois de mais de 20 anos sem ter sido mandada parar nenhuma vez, no mês de junho fui “revistada”, (numa perspetiva poética da coisa)​, duas vezes e hoje quase que seria uma terceira. Pelo menos não fui multada… resta saber o que me poderá acontecer depois de lerem este post... bem talvez os possa bloquear.




O Borda de Água

Ontem à noite cruzei-me com uma personagem que me pediu para comprar o "Borda de Água". Muitos poderão não saber mas o Borda d'Água, não é apenas o nome de um restaurante/bar/numa praia sem vento, onde se pode comer um gelado, sem levar com algo doce na cara. Bem, isso até poderia ser um cenário engraçado, se tivermos alguém para nos lamber, logo naquele momento, o doce a derreter na face!! (Sei que entusiasma, mas o melhor é deixar estas visões eróticas logo pela manhã).
O Borda d'Água é um almanaque português, anual, publicado desde 1929. Com um extraordinário sucesso de vendas. Um livrinho que apresenta prognósticos assertivos (e não são de futebol, porque se fossem não eram assertivos), conselhos práticos tendo em conta a sabedoria popular, com mezinhas, provérbios, fases da lua, informação sobre mar e marés, astrologia, calendário, efemérides etc... e muito importante previsões para agricultura: a época ideal para semear, as podas, as colheitas, entre outras. Esta última parte destinada a 90% da classe económica portuguesa, sim, leram bem 90% DA CLASSE ECONÓMICA PORTUGUESA, os agricultores: (os plantadores de mexericos políticos, os semeadores de coscuvilhice social, os podadores de vidas alheias). Estes e os restantes, os que se dedicam efectivamente a semear para colher. (Agora que deixei o erotismo inicial e o ironismo a meio do texto).
No local onde vivo, a maioria das pessoas tem um quintal e uma pequena horta, mas se atreverem a ir à cidade e olharem com atenção, depressa irão reparar nos campos ao lado nas vias rápidas, dentro dos jardins das cidades. Cada vez mais, estes espaços vazios começam a estar cheios de pequenas hortas, pessoas que não têm dinheiro e que ocupam a "terra de ninguém" para produzir um pouco de comida. 
É difícil classificar a que classe social pertencem, mas poderei chamá-los de visionários, ecologistas e empreendedores de campos e campos de oportunidades, que não deitam para a borda, o Borda d'Água.


terça-feira, 10 de julho de 2018

Até um dia catirolas


Desde 2010 que tenho este blogue, criado poucos meses depois de me ter mudado para o Oeste. Ter mudado de cidade, de vida, de trabalho, de clima… muitas mudanças de uma vez só.
Escrever durante oito anos num blogue não é fácil… mesmo que não seja uma obrigação, que seja apenas mais um lugar onde podes fazê-lo sem regras.
Tenho a certeza, que poucos passam por aqui a ler os disparates que escrevo. Mas isso é o que menos importa. Pois o Catirolas embora seja publico, e de uma forma egoísta, é para mim que existe. Escrevo para mim, às vezes em desabafos, algumas coisas reais, outras inventadas. É de certa forma aquele amigo que deixei na metrópole e que aqui, por mais que tente, não consigo recuperar, falta a genuidade, a sinceridade, a verdade. Falta muita coisa, que talvez até por culpa própria não consigo recuperar…é um ponto final no Catirolas publico… até um dia.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Janelas


Quem olha para ela daquele lado da janela, pouco vê, muito menos imagina tratar-se de um rosto centenário. 
O relógio por cima da cabeceira da cama de pinho lembra como o passado continua a marcar a passada do tempo. Daquela janela com vista para o mundo e para lado nenhum, vê-se tudo: O arquitecto que desmanchou e refez a fachada de um prédio duplamente centenário. A Manuela, ou será que é o Manuel, que todos os dias sai com uma maquilhagem diferente, perto das dez da noite e que volta de madrugada, umas vezes só, outras acompanhada/o. A mercearia da menina Odete, de 80 anos, que ainda cheira a anos 70, perfume e sabores com gosto a fruta, enchidos tradicionais,  pão fresco logo pela manhã e todas aquelas emoções e sorrisos que escapam a qualquer loja gourmet, de um centro comercial de alto gabarito. A mercearia perdida no tempo, mas achada na genuinidade está ali, mais ou menos ao mesmo tempo, em que a loja do bacalhau impregnava a rua com o cheiro a qualquer coisa podre, mas muito boa.
O tempo avançou e o burburinho pelas ruas também. “Estamos na moda”, diz o carteiro que agora só traz contas para pagar. Longe vão os tempos das cartas de amor, dos namoricos ao final da tarde no jardim. 
Nuno e Teresa servem almoços ao início da manhã e trocam beijos ao final da tarde, mas no jardim restam poucos bancos. Nesse vai vem de amores proibidos e achados há uma multidão que os observa, mas que não os vê… apenas quem está do lado de lá da janela consegue perceber. Por mais que se tente, não há amor se compre, nem amor que se venda, apenas esse vai e vem de ver partir quem quer se (acon)chegar. 

Foto: Catirolas, sem filtros

domingo, 8 de julho de 2018

Madrugada

Há dias em que te levantas para ir trabalhar e outros para ir passear, mas que te levantas, cedo, com medo que o dia passe, a vida galope e a paixão corra demasiado depressa por ti. Pois nas noites em que dormes profundamente, lembras-te, de que não te lembras de nada e isso parece ser demasiado assustador, muito amedrontador, tal como esses dias em que as pernas te pesam tanto de desejo e os pensamentos são tão leves que te levam as ideias... por fim o balanço do mar, "bem me quer! mal me quer!"

Bem-querer

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Passos

E se caíres tens alguém que te agarre, que te ampare, que te abrace?
Alguém que te eleve pela preciosidade do ser, adormecido dentro de ti. Alguém que te veja para lá dessa beleza de olhos fechados, um olhar que acorda e te esmaga com essa sinceridade e verdade que faz o sol parecer um dia de chuva... mas dos bons. Sinceridade nas palavras, aquelas que te tocam, te molham a pele e te arrepiam o coração, com pequenos passos de amor, que não chegam depressa, mas que um dia que chegarão ao seu destino. 

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Numa atenção à temperatura

Numa atenção à temperatura ... o cabelo pode não ter o comprimento, ou a cor desejada, o rosto, as delineações pretendidas, a cintura, a proporção certa, os olhos, essa alegria de achar e perder um segundo de tempo na vida, envolvido em tudo o que é possível para esquecer e o sorriso, apesar de ser muito bonito, pode não ser perfeito, mas afinal o que o é?
Sei bem onde deixei o bloco de anotações, cheio de palavras começadas pela primeira letra do alfabeto, apenas não tenho a certeza de ser as palavras certas, mas as palavras, tal como os retratos que tiramos com o coração e guardamos para nós, são apenas uma forma de expressão, nessa vontade de verbalizar sem nada dizer, onde a beleza é tudo menos aquilo que se consegue ver à primeira vez.... muito escaldante.
Foto: Catirolas

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...