quarta-feira, 13 de maio de 2015

Primaverando

Quantas vezes pensámos em começar de novo e esse começo ficou preso ao caruncho do armário à espera de apanhar um raio de sol e um rasgo de ar, nas proporções certas.
 Está na altura de o abrir!
Quantas vezes lançámos desafios à nossa mente, vestimos a pele “de sou capaz”, e essa vontade ficou amarrada a um cliché, demasiado óbvio para ser verdade, mas que acabou por se tornar numa realidade.
Se o melhor do mundo são as pessoas por que razão a lealdade, o carinho e a sinceridade dos animais, parece mais perto daquilo que desejamos e idealizamos para um ser humano, mesmo para o mais desumano?
Crer no melhor da humanidade é o primeiro passo para a tornar humanamente animalesca, sem que isso seja algo depreciativo.
O tempo pode até ser pouco favorável, a conjuntura pode até nem ser a melhor, mas quando a vontade a determinação e a paixão pela vida persistem e a crença no mundo e nos outros, conhecidos ou desconhecidos acontece, sinceramente sentida, então a primavera reinventa-se.

sábado, 2 de maio de 2015

Os nossos abraços

Há momentos!
Em que vivo numa percepção que me faz crer que metade do que vivo é como se fosse sempre por inteiro.
Se pudesse concretizar algo impossível isso seria mesmo o tele transporte. Poder estar naquele lugar, naquele preciso momento em que toca o telefone e sentimos que do outro lado está aquele amigo que sempre admirámos, pela beleza, pela simpatia pela tenacidade e que está frágil, numa fragilidade que temos medo de não conseguir ajudar a superar... essencialmente pela distância física que se torna ela também numa linha longitudinal psicológica, porque 2 horas de qualquer lado, não é já ali, por mais que se tenha vontade de contrariar o tempo de transição. ( aquele que nos faz deslocar de um ponto a outro)
Descreve-te como pessoa? O que faz de ti aquilo que és hoje, o que és realmente ou o que aparentemente queres ser, não és tu.
Muitas vezes o que dizem ainda que não seja a verdade, não deixa de ser a tua realidade e nós como ser des(humano), temos tendência a guardar o pior das pessoas esquecendo o que elas têm de melhor. Mas eu não. Eu acredito, não "Naifemente", porque isso não existe nas quase quatro décadas de vida e vinte e tal de amizade, acredito na pessoa que és e sei que por baixo dessa carapaça de tartaruga forte, está alguém que tudo o que precisa é de um abraço forte e apertado, sem palavras, hipocrisias ou falsidades...
... OS NOSSO ABRAÇOS!