quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Vai uma rapidinha?...

Não sei se é do tempo... ou de outra coisa qualquer, a verdade é que hoje estou num daqueles dias que se tivesse uma almofada Avestruz, ou Ostrich Pillow, me encostava em cima de secretária a dormir uma bela soneca, rapidinha, antes da "Chefe" chegar. 

Esta almofada, invenção de um Britânico, Ali Ganjavian, e que se inspirou nas aves que têm por hábito enterrarem a cabeça na areia, procura revolucionar o conceito de sestas cómodas em qualquer lugar. 
Não sei se a moda pega  ou não, mas a verdade é que esta almofada de cerca de 62€, vendeu 500 na primeira semana. 
Fontes de informação do centro de espionagem da Catirolas, sabem que uma centena delas foram compradas pelos deputados da oposição do Governo Português, para fazerem uma sesta nos debates preparatórios de aprovação do próximo Orçamento do Estado, principalmente na altura em que o Ministro das Finanças, Vítor Gaspar, intervir.

Imagens: Intenet








segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Canina

Já passou uma semana... mas por vezes é melhor deixar passar o tempo... porque o tempo, cura a dor, a tristeza, mas não a saudade que aumenta com o passar do tempo.

Parece incrível e até um pouco para além da realidade, mas a percepção que os animais conseguem ter sobre as pessoas, a dedicação, o carinho, a amizade, e a capacidade de entrega... é tão grande que ultrapassa largamente qualquer relação humana ... e quando o tempo se acaba e o amigo parte para o céu dos gatinhos, temos a certeza que amar um ser de outra espécie como se fosse da nossa, é uma dura, mas gratificante realidade! 

Vídeo: Canina e Bolinha.

sábado, 22 de setembro de 2012

Reflexão social

A degradação das condições de vida, é um facto cada vez mais emergente na sociedade portuguesa. E se é verdade que no tempo das nossas avós, a miséria era uma realidade assumida à nascença, muito pela ignorância e pelos antagonismos de uma sociedade, em que os ricos eram ricos e ponto final e os pobres eram realmente muito pobres. Arrepia-me ver que o que foi conseguido até aos dias de hoje, caminha para essa época, enoja-me sentir por parte da classe governativa, pouca sensibilidade, pouco senso comum e quase nenhum respeito, porque as pessoas não são números, não são experiências de laboratório, teses académicas.
Os Senhores da Troika são nossos credores, emprestam dinheiro que Portugal paga com juros, é uma transacção comercial, deverá haver respeito e regras de ambas as partes, mas isso não significa que Portugal tenha que ser escravo da Troika, nós precisamos deles, tanto quanto eles precisam de nós, e marcar a nossa posição defendo os direitos e os interesses dos cidadãos é a nossa obrigação, ou qualquer dia perdemos a nossa identidade, passamos a ser, meramente uma colónia da Europa governada pela 4 Geração de Hitler.

Imagem: Internet


terça-feira, 18 de setembro de 2012

A queda!

Por vezes, quando estamos moralmente motivados, ainda que as pernas se ressintam e o corpo acuse o nervoso miudinho, próprio de qualquer competição, por mais amadora que seja.
Quando e apesar das limitações próprias de cada um, dos medos e dos obstáculos, conseguimos fazer as subidas mais complicadas, com elegância e destreza, ultrapassamos os mais directos adversários sem possibilidade de alcance, arrasamos por entre túneis com água, rolamos por trilhos de areia, serpenteamos com orgulho, por entre eucaliptos fora do lugar e finalmente, até conseguimos fazer as descidas mais alucinantes e perigosas, sem cair...
Vem a mãe natureza, os travões da nossa bike, a nossa azelhice momentânea e aquela pedra castigadora,  lembrar-nos da pior maneira, que as rectas também podem ser perigosas... 



sábado, 15 de setembro de 2012

O comando não é meu!

Por estes dias tenho ouvido alguma publicidade ao "MEO" sobre o privilégio dos seus clientes terem direito ao canal exclusivo, 24 horas sobre 24 horas de  mais uma edição "3 temporada", da "Casa dos Degredos", prestes a iniciar e a colocar para segundo plano a novela dos problemas económicos e das discussões  políticas, que vieram substituir a temporada dos incêndios, que por sua vez, já haviam substituindo as reportagens sobre as mortes de idosos. 
Programa de "entretenimento", em tudo equivalente a cusquevilhar a vida dos vizinhos, as discussões, o ranger da cama, o arrastar da mobília, o ladrar do cão, o ladrar do próprio vizinho... e tudo o resto possível de ouvir entre 4 paredes, ou de imaginar! 
Sei que existe muita gente que vive em função daquilo que acontece aos outros, mas viver uma realidade paralela, é não viver verdadeiramente... e numa sociedade atenta, observadora e "aparentemente livre", onde tudo ou quase tudo é permitido, creio que até o entretenimento tem limites...




quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O Déjà vu

Não é estar sempre a tocar na mesma tecla ou  estar constantemente a ouvir a mesma cantilena. Mas é que ontem, depois de ver as imagens da Assembleia da República, com as bancadas quase vazias, tive um Déjà vu, fez-me lembrar a sessão de cinema a que fui na sexta-feira passada. 
Sem me alongar sobre o conteúdo ou preferências cinematográficas. O filme era quase uma estreia, apesar de ser uma saga de mais do mesmo, a qualidade do som, da imagem eram acima da média, a sala bastante ampla e confortável, e os actores até eram velhos amigos de filmes de acção. Mas na hora de ver o filme, eu e o meu acompanhante éramos os únicos expectadores...
O nome do filme? Mercenários 2!

Imagem: Internet



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Coisas que não entendo...

Não entendo porque de uns tempos para cá, as Escolas de Condução, optaram por ter Frota Topo de Gama, para ensinar a "malta" a conduzir, quando na realidade, apenas uma micro minoria, depois de "encartado", poderá adquirir um automóvel desse calibre, a não ser que seja um aspirante a Ministro, ou melhor, aspirante a motorista de Ministro. É que mesmo em termos de condução, um carro "Topo de Gama", difere bastante de um de gama média ou de gama baixa, eu diria que, quase que é preciso tirar novamente a carta para aprender a conduzir. 
Actualmente, lógico seria uma escola para ensinar as pessoas a andarem de transportes públicos engarrafados, sem cheirarem mal e sem perderem a paciência... 

Foto: Internet.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Não há coincidências!

Não sei se é coincidência, no dia 11 de Setembro, o Ministro das Finanças vir explicar, em linguagem económica e até meio filosófica, "num nível estratosférico", como se aniquila, os bolsos dos portugueses.  Será que depois deste tempo todo ele ainda não se apercebeu que a maioria dos portugueses, não entende nada do que ele diz?



Se olharmos com atenção, ele até é meio parecido com os seguidores da Al- Qaeda.


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

O dilema

A vida é um estranho dilema..
Quando pensamos, que a austeridade é apenas uma palavra que passará a pertencer ao dicionário de latim, lá vem mais uma no pacote para nos "dar no pacote".
Quando temos todo o tempo do mundo para fazer o que normalmente não fazemos porque não temos tempo. Não fazemos nada.
E quando finalmente temos uns metros no quintal, para realizar aquele protejo hortícola que permitirá poupar uns "euros", nas compras lá de casa. As couves não nascem e as que nascem comem-nas as lagartas, disfarçadas de IMI.