quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A estação do frio

Não sei se é do tempo, ou dos tempos, mas a um mês do Natal, não estou a conseguir interiorizar o espírito e o brilho característico desta época, a única imagem que consigo contemplar, são os rostos das pessoas que todos os dias me "batem" à porta a pedir qualquer coisa, rostos que se fecham quando lhe perguntamos o que fazem e nos dizem que estão sem fazer nada, gente com tanta energia e potencial lutando por dias melhores.
Não sei porquê, mas por estes dias não foi apenas o frio que se apoderou do meu coração, prevejo ainda uma frente polar de nostalgia a caminho, só espero que o anticiclone da amizade apareça e me salve, um pouco antes da chegada do Natal, com os seus abraços quentinhos. 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Gut gemacht, wir sind stolz auf Sie, mögen die anderen von Ihnen lernen!

Portugal passou em mais um exame da Troika, mais precisamente no 6º exame. Não sei muito bem que grau, ou que equivalência isso lhe dará no "Acordo de Bolonha", mas antevejo um futuro Doutoramento em economia interna ruinosa, com a ajuda do especialista português, Miguel Relvas. 
De todos os discursos que ouvi ontem sobre a "felicidade" desta noticia, existem dois que largamente se destacaram: 
As palavras melosas e pouco convincentes do Ministro das Finanças, que continua a tentar convencer "os portugueses" que estamos no bom caminho, apesar de o caminho ser um monte de pedras com buracos,  onde o aumento da miséria e do desemprego são o que de mais concreto e real, existe no momento. 
E
O silêncio dos Governantes Madeirenses, pois a entrada deste dinheirinho servirá para continuar a pagar as "pensões vitalícias", desta espécie rara e à parte dos "bichos" continentais. 1 milhão e 500 mil euros, surpreendentemente aprovados e contemplados no Orçamento de Estado do próximo ano, pela maioria parlamentar do continente, que reconhece assim o seu estatuto de raridade e lhe atribuí interesse nacional de espécie em vias de extinção  Só pode ser isso!  

Com tudo isto só me resta tentar adivinhar, "tipo professor Kamandu", se é que existe, o que terá pensado a Alemanha  deste resultado:
Gut gemacht, wir sind stolz auf Sie, mögen die anderen von Ihnen lernen!
Tradução: Bravo, estamos orgulhosos de vós e esperamos que os outros aprendam convosco!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Os limites da alimentação

Desde há muito que a comida, não é apenas uma forma de sobrevivência humana, mas também é uma identidade e uma cultura, que nos distingue e nos integra em sociedade... e uma rentável fonte de receitas.
De qualquer forma penso que apesar de ser uma necessidade primária do ser humano, muito se desculpa e muito pouco se faz, para dar aos animais de criação, um pouco de dignidade e de respeito, na sua curta vida até ao nosso prato.
Já todos conhecem a história do Foie Gras,* e do que é feito aos patos ou gansos para produzirem o tal patê de fígado que custa uma fortuna, pois bem, agora parece que existe na China um produtor de porcos que os "obriga" diariamente a saltarem de uma plataforma para um charco, para melhorar o sabor da carne e assim vende-la 3 vezes mais cara. 
Um ritual diário que não tem nada a ver com sobrevivência humana, mas sim com a satisfação dos desejos da gula de uns e os bolsos de outros. 
Será que haveria realmente necessidade?













*O foie gras é o orgão doente dum ganso ou dum pato, engordado de maneira forçada, várias vezes por dia, com um tubo de metal de 20 a 30 centímetros enfiado na garganta até o estômago. Para obrigar o seu corpo a produzir o patê de fígado, a ave tem de engolir em somente alguns segundos uma tal quantidade de milho, que o fígado acaba por atingir praticamente dez vezes o seu tamanho normal, e desenvolve uma doença chamada esteatose hepática. 

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Há dias assim

Há dias assim!
Quanto mais queremos correr... mais nos falham as pernas! Quanto mais desejamos que o mau tempo desapareça ... mais ele se acumula no cimo da secretária! Quanto mais não queremos ouvir, o chefe, os colegas, o vizinho do lado, o automobilista que nos ocupa a via da esquerda... mais as suas vozes irritantes ecoam, como sinos na nossa cabeça. 
Acordamos macambúzios, mal dispostos, com o "rabo"virado para a lua, numa noite carregada de nuvens, e o dia parece uma longa maratona de desafios e problemas que nunca mais acabam. Pomos em causa o aquilo que somos, aquilo em que acreditamos, questionamos a nossa maneira de ser e culpamos o espelho pela imagem que está reflectida à nossa frente não corresponder, pelo menos naquele momento, às nossas expectativas,  sentindo-nos meio perdidos sem saber muito bem que rumo tomar. 
Mas é nesses tais "dias assim", que nos apercebemos daquilo que realmente importa...A capacidade de  dizer com a ingenuidade, simplicidade e sinceridade de uma criança, sem medos, hipocrisias ou falsidades,  o quanto gostamos de alguém ou o quanto gostam de nós! Porque a vida não tem que ser um longo e penoso percurso para se fazer sozinho.


A Imagem: Está nublada mas a mensagem não.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O rescaldo da greve e o trabalhador Aníbal.

No rescaldo da manifestação de ontem, o que mais me meteu pena, não foram os policias que tiveram uma actuação digna e profissional, apesar de ter a certeza que muitos deles gostariam de estar no lugar dos manifestantes; não foram das pessoas que levaram com a carga policial em cima, apesar de algumas, as que não atiraram pedras, estarem lá de uma forma pacifica, ordeira e democrática, mas que nestas coisas acabam por apanhar por tabela; ou ainda daquelas pessoas que não puderam fazer greve, apesar de muito o desejarem. Não. Nada disso. 
No rescaldo da manifestação de ontem, o que me meteu mais pena, foi ouvir o nosso Presidente da República dizer que também ele num dia de greve geral, foi trabalhar e produzir para a economia do país, quando na verdade o que ele queria dizer, era que até desejava estar com os grevistas, não implicasse isso um corte de um  dia do seu magro salário e da Maria. E todos já conhecemos as dificuldades do Presidente. Sem isso, como é que ele iria conseguir governar uma casa de família o resto do mês?

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

O outro lado.

Somos aquilo que somos, um povo afável, hospitaleiro, com um dos melhores climas da Europa e uma posição geográfica invejável, com gente capaz de trabalhar sobre pressão, inventiva, pacifica e inteligente. Gente bonita inovadora.
Apesar de tudo o que se diz, (incluindo por vezes a Catirolas, no seu humor perverso)  a situação em  que actualmente, nos encontramos  é de nossa  inteira responsabilidade. Não é da Europa, da Troika, ou da descendente de Hitler que  visitou Portugal sobre forte medidas de segurança, ou não fosse Portugal um dos mais seguros países dos mundo ... 
O que está a acontecer,  é a consequência de um conjunto de má decisões pessoais e/ou colectivas, que fomos fazendo ao longo da vida e agora que estamos em dificuldades, falamos, protestamos, resmungamos, fazemos greves, muito questionáveis e pouco organizadas, que não têm a força que deveriam ter, porque estas greves convocadas pelas forças sindicais, que ainda assim não se conseguem unir, continuam a ser sinónimo de balda, e continuam a ter uma conotação altamente negativa e pouco eficiente na sociedade. Apenas servem para culpar alguém pelo que nos está a acontecer, porque a responsabilidade, quanto mais exterior for ao nosso pequeno mundo "egocêntrico" melhor. Sendo o alvo preferencial, os outros.
Tomar decisões e dar a cara por elas, ainda que estas sejam, injustas, péssimas e altamente questionáveis, sempre foi e será uma tarefa difícil e complicada. Facilmente apontamos o dedo e condenamos quem o faz, da mesma forma que não hesitamos em pedir ajuda, quando se dá uma catástrofe e nos esquecemos rapidamente, (e mais importante ainda)queremos muito que se esqueçam de nós, quando estamos economicamente numa posição favorável. Claro que por estes dias, gostaria muito que esta última situação fossemos todos nós. 

terça-feira, 13 de novembro de 2012

O Pandã de Merkel e Azevedo

Ontem foi um dia de demasiadas emoções... A visita extra-segura da Angela Merkel a Portugal, e a chegada do Vale e Azevedo, extraditado de Inglaterra.  Bem que estas duas personagens podiam ter vindo no mesmo voo, sempre faziam "Pandã". Um com vontade de ficar com Portugal como colónia Alemã, e outro com vontade de vender Portugal como colónia à Alemanha, através de um negócio obscuro mas muito vantajoso para o património Azevedo. 
Em relação ao Sr. Dr. Val Azevedo, o que mais me impressionou foi as declarações da advogada, que disse que se devia ter em conta não só o facto de o seu cliente se ter entregue de livre vontade às autoridades, quando na verdade só regressou porque funcionou o mandato de extradição português; e que os anos que ele esteve na sua residência de luxo em Inglaterra, deveriam contar como prisão domiciliária e assim sendo, fazendo diminuir os anos que faltam para cumprir a pena dos crimes de que é acusado! 
Coitadinho deve ter sofrido tanto! 
Bem que Passos Coelho podia ter aproveitado a visita de negócios da Chanceler Alemã, para trocar esta personagem pelo perdão da dívida portuguesa. Pois parece haver tanto de comum entre os dois. Não acham?



segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Onde param os cinéfilos?

Os tempos estão mesmo a mudar, no outro dia partilhava aqui no blogue uma ida ao cinema com uma sala completamente vazia, pois bem. Blogueiro que é blogueiro tem que repetir a experiência para comprovar o que vai acontecendo por aí. 

Desta vez, fui ao cinema num centro comercial bastante movimentado, fui ver o último filme do "James Bond,  Skyfall" fui num fim-de-semana, e mesmo assim a sala estava novamente vazia. Eu e o meu acompanhante fomos os únicos cinéfilos durante todo o filme. Realmente dá que pensar!... bem sei que hoje em dia, com o custo de vida e com as novas tecnologias, muitos acabam por optar pelo cinema caseiro, cortando nas actividades culturais. Atitude compressível mas triste e até deprimente, que me faz questionar, sobre o que irá acontecer a seguir, até porque se já tiveram essa experiência, o cinema em 3D, ainda é uma miragem, com um longo caminho a percorrer...por isso não creio que seja por aí, pelo menos ainda.
Tudo isto me faz sentir uma certa nostalgia e saudades da velha sala de cinema "Nina", com a lotação esgotada, em que nas grandes estreias, tínhamos que reservar os bilhetes com uma semana de antecedência, e onde na maior parte das vezes eu tinha que trocar de lugar com alguém, porque quase sempre havia um alto e cabeçudo que se sentava à minha frente, porque as cadeiras não tinham a inclinação que as dos cinemas de hoje têm e eu não cresci assim tanto quanto gostaria.


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Os brinquedos de hoje

Acabei de completar mais um aniversário. Não tenho cabelos brancos, bem talvez um ou dois, bem escondidos, sinto-me jovem, vibrante e com alguma pedalada, seja ela de bike ou não. No entanto... ao percorrer lojas e secções de brinquedos este fim-de-semana, fiquei absolutamente de rastos, pois descobri que estou completamente desactualizada. 
Skates em miniatura para brincar e fazer manobras! (como quando se jogava ao berlinde), estojo de ciência para criar micróbios reais, (como quando se criava bichos da seda, numa caixinha de sapatos), ou packs de culinária molecular, (da mesma forma que se ia para a casa da Avó aprender a fazer merendas doces)... e outro sem fim de brinquedos mais ou menos polémicos, divertidos ou didácticos, que me fazem lembrar que realmente sou de outra época, daquela em que, passávamos mais tempo na rua do que fechados dentro de casa, e em que 90%  dos brinquedos e brincadeiras eram inventados por nós. A verdade é que assusta-me um pouco saber que, hoje em dia, atingimos quase um extremo. Os brinquedos são evoluídos e fantásticos, e tudo o que eles têm que fazer é apenas brincar, até pode ser divertido e didáctico, mas, na minha opinião, creio que é um pouco, semelhante à comida instantânea. É bonita, rápida, mata a fome, mas não tem o mesmo sabor.



sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A dieta da Popota

Ao olhar para a publicidade da rentrée Natalícia, e apesar de achar que miúdas anorécticas com excesso de produção e pinturas de Photoshop, estejam fora de moda, a única coisa que me vem à ideia, é que depois de um ano inteiro de férias, e de, até ter deixado a Leopoldina no desemprego, a Popota já tinha tido tempo, para ir ao ginásio, fazer uma dieta e perder uns kilitos não!!? 


Imagem: Internet
Alguém se oferece para um Extreme Makeover?

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O adeus aos bolinhos dos Santos

Daqui a um ano, do que vou ter mais saudades... não é do facto de ter perdido um feriado, que durante toda a minha existência até hoje, sempre existiu; em nome dessa palavra que serve para desculpar tudo, da austeridade, tendo a certeza que em termos económicos reais, isso não vai mudar nada.
Do que vou sentir mais falta, é de ter uma avalanche de miúdos a tocar à campainha e a entrar pelo quintal fora, a pedir bolinhos, que reavivam a tradição popular e que de certa forma acabam por estimular a economia local, levando a uma acrescida fabricação e venda de bolos, pelo menos aqui na santa terrinha, onde todos compram para dar aos garotos! É mesmo uma pena que pela ausência de feriado, isso vá acabar!!