segunda-feira, 20 de outubro de 2014

O tempo que faz e o que fazemos com o tempo.

O tempo que faz não é bem o tempo que o calendário nos ensinou a querer, mas enquanto aguardamos pelo dia internacional de descer das árvores, mesmo ao lado do dia internacional de as subir (caso não saibam é o dia 28 de março), vamos aproveitando o tempo para comer castanhas e bebericar umas imperiais, em calções, porque sem darmos conta, o que nos dá fulgor à alma é a certeza de estarmos perto, de qualquer coisa nenhuma. De vivermos um pouco na incógnita daquilo que não sabemos, mas que faz todo o sentido e do que julgamos controlar mas que na verdade é incontrolável, a vida... por isso é que o tempo que faz hoje faz tão bem!

"De perto ninguém é normal", Caetano Veloso "e ao longe a normalidade é uma anormalidade óptica" Catirolas




quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Amizade

Há dias assim.
Momentos de outono em que sou invadida pelo recordar do cheiro a castanhas, "quentinhas e boas" da Rua Augusta, pelos almoços em jeito de tertúlia da "má língua" na Gulbenkian, ou das ginginhas ao final da tarde em copos de vidro mal lavados. Há dias em que me faz falta a confusão do fecho de qualquer coisa grande. Da gente que usa gravata durante semana e que se veste de modo casual à sexta-feira; de um "after work" no Pavilhão Chinês e de sentir o cheiro a maresia misturado com  o óleo dos barcos que atravessam o Tejo. Tenho saudades das conversas banais no "Pulo da Cerca" e de comer um gelado "numa praia sem vento", mas o que é mais verdade é que sinto falta daquelas pessoas com quem tive uma relação grande parte da minha vida, gente citadina mas simples, puras e genuínas, que sabem como eu sou, do que gosto e como estou naquele dia, com um simples olhar. Amigos de sempre e para sempre... que apesar de estarem perto estão demasiado longe para neste momento conseguir abraçar.