segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Ressaca de NOVO ANO

Hoje é dia 31 de Dezembro de 2012... afinal o que significa a passagem de ano? E porque razão o comemoramos? 

Um novo ano!!! É tudo mentira... novo apenas no número, no tempo, no calendário. Na essência, as vidas permanecem as mesmas, os problemas não desaparecem com um gole ou dois numa garrafa de vodka, ou numa fantástica bebedeira de estranhas misturas, porque o tempo é de crise, e não há euros suficientes para gastar em bebidas verdadeiras.
Criamos ilusões, fazemos promessas que provavelmente não iremos cumprir, pelo menos grande parte delas, que desaparecem logo da nossa ideia, mal o ano acabe e a dor de cabeça do excesso de álcool comece. 
Este ano mais do que nunca... iremos precisar de nos agarrar aqueles que fazem realmente parte da nossa vida, e não me refiro às 200 personagens que temos como "amigos" nas redes sociais, mas sim a todos aqueles que fazem realmente parte da nossa vida e que estão sempre presentes, mesmo quando não estão.
... o futuro é uma incerteza cada vez mais evidente, para a qual não temos  fórmulas secretas nem cueca azul  que o possa controlar.
Este ano mais do que nunca... terá que ser vivido um dia de cada vez, sem pensar ou esperar muito,  porque por mais que se deseje, o amanhã, é sempre o amanhã e nunca se sabe como o amanhã irá acordar... 

A Tarolaga Catirolas prevê uma enorme ressaca provocada pelas troikadas da noite anterior.
Imagem: Internet

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Reflexão sobre a febre dos saldos

Hoje é a última sexta-feira de 2012. Coincidência ou não, é também o primeiro dia da época oficial dos saldos de Inverno... não posso deixar de me questionar sobre algo que vivenciei ontem à tarde, quando estupidamente tive que me deslocar a um centro comercial! 
Se cortaram os ordenados, se há tanta gente em dificuldades, sem dinheiro para pagar as contas, tanta "alminha" a passar fome; se este ano, foi aquele ano em que a minha profissão extra de voluntária, se fez notar mais do que nunca, com peditórios e campanhas quase mensalmente... então o que fazia aquele magote de gente aos atropelos, nas Zaras, calzedónias, e outras marcas mais ou menos espalhadas pelo país, do género cogumelos reprodutores? 
A comprar algo que realmente faz falta? Ou apenas....pelo vicio enraizado de consumir algo, que, a um nível "psicológico" estará a um preço mais acessível do que habitualmente, mas que se aprofundarmos bem a questão, talvez não seja assim tanto uma vantagem económica, pois para além do tempo e da paciência despendida nessas lojas, acabam por gastar mais, do que provavelmente planearam, abalando o orçamento familiar,  onde esse gasto supérfluo  " mas aparentemente  vantajoso", significará apenas, menos dinheiro no final do mês para comer... e há tanta gente a passar fome.
Imagem: Internet

domingo, 23 de dezembro de 2012

O presépio a árvore e a Catirolas - Feliz Natal

Agora que sobrevivemos a mais um fim do mundo, já podemos dizer que é quase Natal... Pelo menos temos...

 o presépio (Pipo)

E a árvore de Natal (Kikinha)

Agora só falta ficar à espera das prendas no sapatinho.
Feliz Natal


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

A essência de Natal cheira a rabanadas

O Natal está à porta... mas afinal o que é o Natal?
É essencialmente todos aqueles momentos que se se conseguem partilhar em família ainda que isso seja sinónimo de confusão, ainda que isso implique quebrar rotinas, ou percorrer algumas distâncias fora do habitual, é poder matar saudades das conversas banais; tentar compensar todos os outros nossos dias de ausência, em abraços e apalpões reconfortantes, do pai, da cunhada, da tia, dos miúdos e até da avó que acha sempre que estamos sempre muito magrinhos, apesar da balança dizer o contrário; é poder comer doces e "porcarias", com a ideia de que ainda falta uma semana para começar a primeira dieta do ano... e no fim...concretizar o desejo de receber aquele par de meias, que está novamente na moda, ainda que as últimas tenham sido umas, com uns desenhos de bonecos de neve, demasiado infantis e ridículas para a nossa idade.
Mas há quem não entenda e quem não dê valor, o que é uma pena, pois são estes momentos que partilhamos com pessoas, não com os objectos, que trocamos e passamos horas em filas, nos centros comerciais, para comprar, que tornam cada dia um dia melhor para se viver. 
E não há no mundo prenda de Natal que supere isso.



quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Deixem o "Fim do Mundo", ficar no fim do mundo.


Afinal o que é o fim do mundo que tanto falam por aí, neste dia que apenas tem de especial, uma data engraçada...? 

Numa versão cientifica: Não é mais que aquilo que diariamente fazemos, de uma forma mais ou menos inconsciente, e que aos poucos vai destruindo os recursos que nos permitem habitar e viver no planeta terra.

Numa versão consumista: Não é mais do que um dia de atropelos num centro comercial, à procura daquela promoção fantástica. 

Numa versão futebolista: É o estado actual do Sporting....

Para os Mestres astrólogos da espécie "Professor Karamba": É mais um dia para cortar pescoços de galinha e para reatar "clientes", com as suas aptidões de bruxo e doutoramento em especialidades do oculto; clientes, que ultimamente se tinham virado mais para as previsões do Professor Marcelo Rebelo de Sousa, ao Domingo à noite.  

Na perspectiva do funcionário público: É ver numa linha do recibo do vencimento, o valor do subsídio de Natal deste ano, e noutra linha mais abaixo, ver o mesmo valor com um menos atrás.

... tudo tem um fim, seja hoje,amanhã ou depois... isso é certo! Por isso o melhor que temos a fazer é viver, enquanto podemos, e deixar o "Fim do Mundo", ficar no fim do mundo...

.... no mesmo lugar onde fica o fim do arco-íris e o pote de ouro! 
No imaginário humano.


Imagem: Internet








segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Os laços da amizade

Este foi mais um daqueles fins de semana, em que os laços saíram reforçados, e não me estou a referir, aos laços que adornam as prendas. 

Por vezes, estamos tão empenhados no nosso pequeno mundo, que nos esquecemos de como os amigos são importantes para nós; e por mais que a distância  nos separe, e os meios tecnológicos nos criem a ilusão de proximidade, temos a certeza, que não queremos removê-los do nosso coração. 
Por isso, não adianta arranjarmos desculpas para aquilo que não queremos fazer. 
Está na genuinidade que nos acompanha, ano após ano, nesse avançar do tempo que não passa, em todo esse carinho e união, experiências sentidas e vividas, que permanece no nosso espírito de criança, e que vai alimentando e mantendo viva essa amizade, cuja duração não tem prazo, nem limite, porque cada reencontro é apenas mais um novo começo, onde a única certeza são certamente: Os bons momentos, muita confusão e uma boa dose de gargalhadas!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Politiquismo de terceiro mundo

Pois é, depois de um dia ou dois a meditar sobre o assunto, finalmente percebi qual a verdadeira razão da deslocação da "excursão" do Governo a Cabo-Verde; 
Nada como um país que teve tanto tempo sobre o governo de outros, para ajudar os dirigentes portugueses, na tarefa "aparentemente" fácil de baixar as calças, agora já sem buracos no cinto suficientes para as segurar, perante o fundo monetário internacional. 
É verdadeiramente triste saber que estamos a ser governados por gente, que não defende a 100% os direitos dos portugueses. Claro que no mínimo, e como bom exemplo de país cumpridor deveríamos ter as mesmas condições que foram dadas à Grécia. Mas não. 
No "circo Europeu", já todos perceberam qual é o papel de Portugal. 
Não não é o de palhaço, e sim de homem bala: Coloca-se em posição, alguém dispara, caí algures no meio do palco, levantar-se, e logo a seguir está novamente pronto para voltar a levar com o canhão.


Vídeo: Youtube, é um bocado secante, mas se quiserem ver estão à vontade

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O passeio a Mindelo

Este fim-de-semana quando por momentos vi o Governo e toda a sua comitiva de luxo, Passos Coelho, Paulo Portas, Álvaro Santos Pereira, e por aí fora, a passearem-se alegre e descontraidamente pelas ruas de Mindelo, pensei: "Afinal ainda há esperança", finalmente resolveram deixar de se de esconder por detrás dos guarda-costas ou de fugir pelas portas do fundo e avançar de encontro à população que os elegeu, vendo e ouvindo as suas criticas, sem medo de levar com um tomate na cabeça!
Mas eis que logo a seguir se fez luz na minha cabeça. ingénua de Catirolas. 
Afinal eles não estavam em Mindelo, Vila do Conde, Portugal e sim em Mindelo de Cabo-Verde. 
Logo, não havia que ter medo, não havia população furiosa para enfrentar. Ali, eles eram apenas mais uma manada de "brancos" importantes, a passearem-se numa terra de "pretos".

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Fazer o bem sem olhar a quem.

Este foi mais um fim-de-semana de recolha de alimentos para o Banco Alimentar Contra a Fome. Para mim foi mais uma manhã de Domingo fria de temperatura, mas quente de coração e de vontade.
Das opiniões que me fui dando conta, aqui e ali, fico feliz por saber que apesar do frio, das dificuldades e das aragens negativistas, ainda assim, as pessoas contribuíram massivamente. 
Todos sabemos que num processo que envolve pessoas, acontecem injustiças. Certamente que existem alimentos aqui e ali, que acabam por parar nas casas de algumas pessoas que provavelmente não precisariam tanto, como outras, mas não podemos usar isso como pretexto para não ajudar, aqueles que realmente necessitam dessa ajuda, e é essa causa que devemos interiorizar, não as palavras que alguém disse, num momento infeliz, ou a repartição menos conseguida dos alimentos. 
....é apenas fazer o bem, sem olhar a quem!