quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A vontade

Nesta altura do ano quando a palavra quase se aproxima a passos largos de qualquer coisa, não posso deixar de sentir uma certa nostalgia e saudade, principalmente da minha avó materna que me fazia o "café das borras" numa cafeteira mascarrada ao lume em cima de um tripé, ao mesmo tempo que amassava a massa com os cotovelos das filhoses para a noite da consoada e me contava histórias de antigamente. Tenho saudades da sua pronúncia beirã e da sua habilidade para dizer uma centena de "caralhadas" numa frase com poucas falas sem parecer mal. 
Memórias eternas, entre outras coisas que guardo comigo para sempre.
Olho em frente com a vontade de uma optimista e faço uma pequena reflexão por aqueles que correm sem saber para onde vão: Não se iludam meus queridos amigos leitores, a essência do amor não está nessa caixinha muito bonita cheia de laços e brihantes que provavelmente irão receber no Natal... está sim na vontade de abrir o coração.

Foto do Baú lá de casa, distorcida, para preservar a identidade da avó Helena.



3 comentários:

Paula disse...

Olá Cat,

Bonita homenagem à tua avó :-)
Eu também sinto muitas saudades da única avó que conheci. Tenho muitas e boas recordações dela. Foi pena ter partido quando tinha apenas 15 anos. Ficam as recordações...
Beijinhos.
Paula Seixas

Tulipa disse...

Catarina, esta época presta-se a estas belas recoradações. Não tenho dúvidas que estás muito certa no que dizes. beijos

Luis Baptista disse...

Parece uma pintura.
E isso das caralhadas é uma habilidade de varios avós estou a ver.
Bonito.

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...