terça-feira, 17 de maio de 2011

Os portugueses

Tanto que fazer e ao mesmo tempo nada realmente feito, mas dizer que se faz também é fazer alguma coisa, nem que seja apenas falar.
Somos portugueses, humanos, inteligentes, confiantes, cheios de potencialidade, somos aqueles que ponderamos todas as decisões que executamos impulsivamente e que dizemos não nos arrepender, porque parar para perguntar o caminho quando estamos perdidos, não é orgulho lusitano, é pura perca de tempo.
Não somos escravos desse desejo infinito de ultrapassar uma etapa para poder estabelecer logo outra, somos apenas adeptos ferranhos das dificuldades, porque é a ausência do vazio que nos faz viver...um punhado de gente simpática e hospitaleira que come sardinhas e bebe vinho carrascão, a sonhar com as férias no Dubai para colocar as fotos no Facebook.



Se é Catarina é fantástico pois claro.
 

8 comentários:

Julie D´aiglemont disse...

"Vinho Catarina" é demais! E num garrafão...!

Catarina Reis disse...

Julie nem eu sabia que existia, foi um achado. Beijos

Raquel disse...

ópa, as coisas que descobres!...:)
Já tens o garrafão na Adega? Grande achado, sim senhora!

António Pedro Santos disse...

Este vinho é que era bom para fazermos o aquecimento em Vila Nova de Milfontes....remember...lol...Bj para ti e um abraço para o Zé

Catarina Reis disse...

Não Raquel Infelizmente não tenho... fico à espera de uma visita com o dito garrafão. Um beijo grande.

Claro que sim Toni, o aquecimento em Milfontes era com a "Adega do Pinheiro" ou com shots de litrosas em copinhos de plástico... velhos tempos. um beijo para a Carla e para o João, e para ti.

relogio.de.corda disse...

Somos portugueses e somos tudo isto, e mais alguma coisa. Acho que nem o vinho, nem a sardinha, parecem animar a malta. Será do fado?!

Catarina Reis disse...

Pode ser que sim... o fado anima. Beijos

Raquel disse...

Combinado. Caso não encontre essa relíquia levo o Toupeirinho...topas?!?

Beijinho grande

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...