segunda-feira, 29 de março de 2010

Marteladas de mau humor

Uma vez por outra dou por mim numa ausência sensata e contida. Não escrevo, não como, não danço, não movo um dedo, um pé, ou uma mão, não respiro para fora…, mas aguardo. Espero pacientemente por duas palavras, doces, ternas, sentidas,.. que me vão deixar bem disposta num minuto. BOM DIA!

De vez enquando dou por mim num estado de dormência, semelhante à bela adormecida à procura do beijo do seu sapo, só que o sapo que me beija todos os dias é um despertador que só serve para deixar a ausência tornar-se numa dor de cabeça bem presente.
Alguém tem um martelo que me empreste?

Sim um martelo, nome masculino, uma ferramenta que serve para bater, pregar pregos, esmagar,  DESTRUIR UM DESPERTADOR!
Constituída por uma espécie de cabeça de ferro que encaixa num cabo de madeira. Também conhecido por uma peça do piano para percutir as cordas, ou como algo que bate no sino ou na campainha para dar horas.
Anatomicamente, o martelo é um dos ossículos do ouvido, no atletismo é a esfera de bronze presa a um cabo de aço que tem na extremidade uma argola onde o atleta segura para fazer o lançamento. Como sentido figurado o martelo pode ser considerado uma pessoa aborrecida ou maçadora… e ainda temos o “Professor Martelo” do Contra Informação.
Significados diferenciados que dependem do contexto em que queremos aplicar as palavras, conforme o sentido que têm para cada um de nós. Por agora, eu só queria mesmo a ferramenta de carpinteiro para destruir o despertador, que ainda por cima hoje fez-me levantar uma hora mais cedo.

Para usar o martelo nunca se esqueçam, se tudo o mais falhar sigam as instruções (Axioma de Aleen)


Fonte: Infomédia
Imagem: Internet

2 comentários:

Tulipa disse...

Esqueceste-te de actualizar a hora?? oh god! Olha, para quê ir à procura de martelos exteriores, nós somos o nosso pior ou melhor martelo. A ideia ficou-me a martelar na cabeça;) kisses

Catarina Reis disse...

Pois é nisso tens razão.
Bjs Cat.

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...