segunda-feira, 10 de maio de 2010

Onde está o Riot-Dog?

A Grécia tem sido nos últimos anos um país de forte contestações políticas e de muitas manifestações de rua, algumas delas bastantes violentas. Mas ao que parece o grande impulsionador deste movimento é um cão, O “Riot Dog” . Ninguém sabe muito bem de onde vem, como se chama, ou se tem dono. Mas sempre que há confusão no centro de Antenas, o cão “rebelde” está lá, a ladrar furiosamente, e segundo dizem desde 2008.

No meio das imagens que relatam a turbulência da crise financeira na Grécia, este vira-lata, que pode ter alguns genes de pastor alemão, virou uma espécie de “Onde está o Wally”. A sua popularidade é tanta que até tem página no Facebook dedicado a ele (como o “Riot-Dog”), para além de vídeos no youtube e inúmeras noticias na imprensa internacional.

Apanhados e considerações caninas à parte, com toda a certeza que o cão não entende nada deste alarido à volta da sua imagem, assim como da rebeldia, da anarquia, ou da mensagem que os protestos pretendem transmitir.
Na minha psicologia animalesca, ele não passa de um cachorro que gosta de brincar, e que vê em muitos dos actos dos manifestantes e da policia uma grande brincadeira. Por outro lado, o seu aspecto por vezes agressivo, indica que tem medo e que se assusta com algumas cenas de violência e pancadaria, mas quem não se assustaria?
No fundo, o que o “Riot-Dog” provavelmente quererá, é um pouco de carinho, atenção, e um grande osso para comer, e que nada tem a ver com este circo criado à sua volta.

"É melhor ter um cachorro amigo do que um amigo cachorro." ( Fabricio Bravim Melotti )
 No entanto, por vezes o pior amigo do cachorro, é mesmo o cachorro do homem. (Catarina Reis)
 
Fonte e Imagem da Notícia: huffingtonpost

2 comentários:

Tulipa disse...

heheh coitadinho do cão, mesmo assim consegue ter um ar menos agressivo que os que estão à sua volta! kiss

Catarina Reis disse...

Realmente...bjs Catarina

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...