quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Mulher encontrada morta em casa 9 anos depois.

Estamos presente em todo o lado, através da internet e das redes sociais, através de mapas virtuais, através de telemóveis, da televisão, e de outras tecnologias ao dispor de um dedo... temos tantos amigos, tantos, quanto o nosso servidor pode aguentar, e sei que não depende do servidor, e simultaneamente vivemos num mundo onde morremos lentamente, onde somos factualmente esquecidos e onde esquecemos facilmente; os seres de carne e osso, a família, os amigos, os vizinhos, a sociedade, a realidade. Adormecemos num sono fictício e quando acordamos para a vida, estamos provavelmente rodeados da pior morte que se pode desejar a um ser humano, a solidão. Somos esquecidos durante nove anos, e ficamos ali caídos, sem que quase ninguém dê pela nossa falta, apenas com a companhia de um amigo, leal, que morre também, talvez de fome, provavelmente de amizade e dedicação, certamente de solidão e esquecimento também. Somos presumivelmente o ser humano mais desumano que existe, mas também sei que nem sempre é assim, e nem todos o somos, porque ainda há quem acredite e se importe realmente, e nessa vontade reside a esperança.

4 comentários:

Julio-jagdo disse...

Cuanta razón tienes, somos el ser humano mas deshumano.
¿Como puede pasar inadvertida la muerte de esa mujer?

jeje, parece que estoy aprendiendo portugues, he leido el texto sin traductor.

Beijos.

Catarina Reis disse...

Fico contente por poder contribuir para a aprendizagem do português. Um grande beijo Julio.

patrícia disse...

Já reparaste que agora só se encontram casos semelhantes?? Minha nossa...**

Catarina Reis disse...

Pois é Patrícia parecem cogumelos a nascer em todo o lado. Beijos

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...