quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A pior mousse de Kiwi do mundo

Nada melhor do que começar um ano, do que fazer aquilo que mais se gosta fazer. Escrever...
 Hoje  e para quebrar um pouco a ética do blogue Catirolas, vou contar-lhes algo sobre mim.

Enquanto morei na casa dos meus pais, raramente cozinhava, limitava-me a aquecer pratos já pré-confeccionados ou a fazer uma coisa aqui e ali, mas sem grande espectáculo gustativo. 
Depois de me ter mudado e da minha mãe se ter encarregue, de me enviar, todas as bíblias possíveis e imaginárias, de livros de cozinha, e da minha sogra me convidar quase dia sim dia sim, para ir comer lá a casa, com medo que o "filho", na sua nova vida de casado, passasse fome,  comecei a cozinhar, e a aperfeiçoar pratos aqui e ali, com resultados bastante razoáveis, convidando algumas cobaias para irem provando aquilo que cozinhava... sem grandes ocorrências hospitalares, talvez apenas uma dor de barriga de tempos a tempos.
Num destes dias, e depois de termos tido uma produção de Kiwis, bastante satisfatória, resolvi experimentar fazer uma mousse de Kiwi, procurei nos livros, pesquisei na Net, e passo a passo, lá segui uma receita que me pareceu simples e saborosa... mas o resultado final foi desastroso. Não sei bem o que terá acontecido, ou se terei perdido algum ingrediente no meio da receita, a verdade é que apesar do cheiro agradável e do aspecto convidativo, o sabor era intragável, claramente a pior mousse de Kiwi do mundo... por isso se alguém tiver uma receita desta mousse com provas comprovadas e que tenha resultado, façam o favor de me a passar.

Bom recomeço.




2 comentários:

patrícia disse...

Creio não poder ajudar-te!
Para mim mousse só de chocolate... xD
Bom ano!! Bjoo **

L.O.L. disse...

Sinceramente nunca ouvi falar em mousses de kiwi na minha vida. Mas estou cá a pensar que milagres não se fazem e, por isso mesmo, essa "coisa" nunca saberá tão bem como uma mousse de chocolate. Rsrsrsrsrsrs=))))))
Beijos

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...