sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Pura amizade / Amizade pura

Neste tempo de férias, tenho-me cruzado com pessoas, umas que acabei de conhecer, pelo que não tenho qualquer opinião consolidada sobre elas, e outras que já conheço a alguns anos, com as quais criei laços fortes de amizade, mas que curiosamente mudaram tanto, a maneira de ser e de pensar, que a sensação que tenho é que as voltei a conhecer de novo. 
Os momentos de crise e de aperto, tem destas coisas, e se as dificuldades por vezes fazem sobressair o que de pior existe no ser humano, acho que é essencialmente o melhor que acaba por prevalecer, e subitamente o que era desinteressante e banal, passa a ter outro valor, os pequenos momentos ganham outra dimensão e as amizades, sobrevalorizadas, são agora um bem imaterial a guardar como um tesouro para o resto da vida. A única coisa que vale o que vale, sem corantes nem conservantes. 
Sejam amigos, boa sexta-feira. 


3 comentários:

A Tulipa Azul disse...

é verdade.:) Bom fim de semana.:)

somaijum disse...

Tenho defendido sempre que o ser humano não nasce bom, nem mau: nasce ser humano. Talvez nasça com o potencial do bem e do mal, mas é a circunstância (o nome do meu blog tem muito a ver com isto) que faz sobressair uma, ou o outra "qualidade".
O afastamento progressivo dos valores humanitários, acontece como com o crescimento: crescemos sem nos apercebermos. Ficamos menos sensíveis sem nos apercebermos. Ficamos menos bons aos poucos e sem darmos por isso já somos maus.
Mas o universo tem mecanismos de equilíbrio que, em momentos de crise, nos trazem à realidade, nos devolvem a capacidade de amar o próximo. :\

Alberto Santos disse...

Este meu comentário é mais para agradecer a sua adesão ao meu "Valado minha Paixão" e dizer que aos quase 80 anos e 2ºgrau do ensino Primário encontra nos meus comentários muitos erros e pouco valor no que nele contem, mas é real e sentido... e quem dá aquilo que tem....
Um beijo.
Alberto C. Santos "Alberto Latoeiro"

Publicação em destaque

Outono

Incrível!! Ainda ontem o cair da noite banhava lentamente (a passo de caracol) os nenúfares que boiavam no charco verde de águas cálidas, ...